A definição de canais é uma das etapas mais importantes de uma estratégia de marketing. Se você não está familiarizado com o termo, canais são meios através dos quais você irá se comunicar com seu público de interesse. Também podemos chamar canais de “pontos de contato”. No ambiente digital estamos falando de redes sociais, site, blog, marketplaces, por exemplo.

Nesse blogpost, vamos falar sobre como escolher os canais certos para sua empresa e como se posicionar em cada um deles.

A primeira coisa que precisamos ter em mente é que um canal é um meio de comunicação. Logo, precisamos pensar nessa comunicação, começando pela definição de com quem vamos falar através desse meio (nossa persona) e sobre o que vamos falar (nossa mensagem, conteúdo ou linha editorial).

Além disso, é importante ter clareza sobre qual o nosso objetivo, já que quando se fala em comunicação de marketing, desperdiçar o tempo da nossa audiência vira quase um pecado capital. A seguir, vamos falar sobre cada um desses elementos:

Definição de personas

Para escolher os canais ideais, é importante que você conheça com profundidade sua audiência. Para isso, recomenda-se a criação de personas para o seu negócio. Personas são personagens fictícios que representam seu cliente ideal (não necessariamente o cliente atual).

Elas são concebidas a partir da realização de pesquisas que permitem conhecer e analisar o comportamento e o perfil do seu cliente. Você deve gerar um personagem, cuja descrição seja composta pelos principais atributos que você identificou de forma recorrente durante sua pesquisa.

Clique aqui para baixar um infográfico de apoio para a construção de personas.

Construir a persona é essencial, pois fica muito mais fácil você escolher canais e produzir conteúdos se você sabe com quem você quer falar. Se você acha que seu produto é tão abrangente que pode falar com todo mundo, é bom que você tenha muita verba para investir, pois todo mundo é muita gente. Isso exige comunicação em massa, como a Coca-Cola faz (e olhe lá).

Caso você ainda não esteja com todo o gás da Coca-Cola (desculpe, não resistimos!), sugiro você escolher um foco mais definido e ir ampliando aos poucos.

Definição de objetivos

Agora que você já sabe com quem você deseja falar, é importante saber o que você deseja com essa pessoa. A definição de um objetivo claro ajuda você a caminhar na direção certa. Em geral, a comunicação de marketing tem por objetivo gerar vendas. Para chegar nesse objetivo principal, sua estratégia pode focar em:

Geração de leads: atrair interessados para o seu negócio;

Nutrição de leads: fazer com que um interessado acompanhe suas publicações até ter interesse em se tornar cliente;

Autoridade: estabelecer vínculo e confiança para com a sua marca;

Reconhecimento: Alcançar um grande volume de pessoas para deixar sua marca conhecida;

Geração de vendas: Vender seus produtos ou serviços para o seu cliente

Depois de definir personas e seus objetivos, você pode começar a seleção de canais. Por exemplo, se o seu produto é um software que é vendido por assinatura para empresas por um preço de R$ 349,00 mensais em um contrato mínimo de um ano, e você deseja gerar leads, o LinkedIn pode ser um canal de extrema relevância para você.

Seu blog também ganha um papel de destaque, mas talvez não faça sentido você nutrir um perfil no Instagram. Manter esse perfil irá gerar esforço e ocupar o tempo da sua equipe, sem ajudar no alcance dos resultados desejados. No entanto, se você deseja manter publicações para atrair colaboradores para sua empresa, o Instagram pode ser um ótimo canal para mostrar o dia a dia do seu negócio.

Se o seu negócio é um comércio eletrônico e você vende produtos de moda, por exemplo, o Instagram e o Facebook são os melhores canais, pois você ainda pode configurar sua loja virtual nessas redes. Além disso, por terem um foco mais visual, fica fácil despertar o interesse do seu público postando looks que podem se tornar uma venda por impulso.

Definição de canais

Abaixo, segue uma lista dos principais canais digitais e suas características:

Site: Um site deve apresentar informações necessárias para deixar claro qual a sua proposta de valor, quem pode se beneficiar dela, quais os principais atributos e diferenciais do seu produto / serviço, como as pessoas fazem para adquirir / contratar e os meios de contato para falar com você. Alguns atributos adicionais podem reforçar a confiança de seu cliente, como depoimentos de outros clientes, marcas de empresas de já confiaram em você, etc.

Blog: Um blog é um excelente canal para que você trabalhe na etapa de geração de leads, através de conteúdos que ajudem seu cliente a percorrer a fase de reconhecimento de um problema. A fase de reconhecimento é aquela em que ele percebe sintomas, mas não sabe qual o problema que está causando aquele sintoma. Por exemplo, o sintoma pode ser a ausência de contatos com pedidos de propostas. O seu conteúdo pode focar em explicar as principais razões que impedem uma empresa de atrair interessados, ou mesmo abordar outros conteúdos que façam parte dos desafios da sua persona, nessa fase mais inicial. Além de ser um conteúdo relevante para o seu visitante, um blog vai te apoiar no ranqueamento em mecanismos de busca (SEO).

Redes sociais: As redes sociais tem um viés mais dinâmico. Seu conteúdo perpassa a timeline do usuário competindo com diversos outros, postados por pessoas ou empresas. Assim, é importante que você otimize bem sua presença, agindo de acordo com as características de cada rede. Vamos falar de algumas das principais da atualidade:

  • Facebook: Foi a principal rede social por muito tempo e, por isso, tem a presença massiva de pessoas de todas as faixas etárias e classes sociais. No entanto, passa por uma fase de desgaste e já não tem mais o mesmo vigor de antes. As empresas podem ter apenas páginas. As chamadas fanpages. Perfis são somente para pessoas físicas e, se uma empresa utilizar um perfil, pode inclusive ser punida com banimento, pois fere as políticas da plataforma. Uma página deve investir em conteúdos que mesclem imagens com textos de apoio. As imagens não devem ter mais do que 20% de sua estrutura carregada com textos. Você pode subir uma imagem para testar a densidade de textos no Facebook aqui. Os textos não devem ultrapassar 200 caracteres, a menos que seja aquele textão de encher o coração de emoção. Logo, não será o texto comercial do seu produto. Você pode postar de 1 a 2 vezes por dia no Facebook e investir em anúncios com segmentação de público avançada.
  • Twitter: Um dos canais sociais mais fortes nos EUA, está começando a retomar força no Brasil. O Twitter destaca-se pelo dinamismo. Dificilmente alguém vai percorrer por todo o seu perfil. O mais comum é os usuários olharem um feed de curto prazo. Com isso, essa ferramenta permite que você poste de 4 a 6 vezes ao dia sem se tornar chato. Ela tem um limite de 280 caracteres, mas permite que você crie threads com assuntos que julgar relevantes. Chamadas atraentes e links para o blog são bem-vindos aqui.
  • LinkedIn: Canal ideal para quem busca gerar relacionamento com o mercado B2B, ou seja, quem vende para empresas. As páginas acabam tendo um melhor alcance ao divulgarem oportunidades de trabalho, mas ele tem recursos pagos como envio de mensagens privadas para um público segmentado, que podem ser uma excelente fonte de captação de leads.
  • Instagram: A bola da vez! O Instagram começou com força através da publicação de imagens no feed, mas agora está se destacando através da publicação de imagens e vídeos curtos que somem depois de um tempo: os stories. É excelente para se comunicar com um público mais jovem.

Existem outras redes que podem apoiar sua estratégia, como Pinterest ou Snapchat, mas para evitar que o post fique muito extenso, vamos deixar para falar delas em outro momento já que não são tão populares.

Landing page: As landing pages são páginas de aterrisagem. O foco delas é atrair a atenção do usuário e buscar, através de formulários ou chats, a conversão de leads. Ou seja, as pessoas deixam seus dados em troca de obter um material rico. Um site diferencia-se de uma landing page por causa da sua anatomia. Landing pages não tem menu, rodapé e nenhum outro elemento que seja capaz de distrair o usuário. O foco é na entrega de um conteúdo específico e na conversão do lead.

Agora que você já sabe quem é sua persona, já tem um objetivo claro e conhece a peculiaridade de cada um dos principais canais, fica fácil estabelecer o conteúdo certo para cada um. Mas isso já é assunto para um novo post.

Leia também: Suas decisões são baseadas em dados?

Categorias: Dicas

Aline Roque

Consultora especializada em marketing, design de negócios e serviços. Atua no mercado de tecnologia desde 2005.

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *